Lideranças da Aldeia Condá de Chapecó/SC e do Toldo Chimbangue, participaram na tarde desta terça-feira, dia 07 de fevereiro, de uma audiência onde fizeram uma representação junto ao Ministério Público Federal denunciando os comentários preconceituosos e expressões de ódio contra as populações indígenas da região.

 

Conforme o Cacique da Aldeia Toldo Chimbangue, Idalino Fernandes, os indígenas encaminharam a denúncia ao MPF que acatou. “Recorremos à Justiça primeiramente. O Procurador está garantindo que vai investigar e punir os culpados. A gente vai aguardar uns dias e do contrário vamos procurar outros meios. Não sei porque a população sente tanto ódio de nós, sempre tratamos todos com respeito e educação e essas coisas tem que mudar”, disse.

 

Idalino enfatizou que o objetivo de encaminhar a denúncia junto ao MPF é provocar a sociedade para uma reflexão. “As pessoas que não medem o que falam vão começar a pensar mais antes de falar alguma coisa de preconceito sobre nós. Quem sabe respondendo diante da Justiça sirva de lição”, argumentou.

A audiência com representantes do Ministério Público Federal aconteceu em razão de comentários preconceituosos que foram expostos nas redes sociais na última sexta-feira, dia 03, após uma criança indígena ter perdido a vida em um atropelamento em Chapecó. Comentários do tipo: “Um bugre a menos” gerou indignação que levou a denúncia no MPF.

Conforme o Coordenador do Conselho Indigenista Missionário da região Sul, Jacson Santana, que esteve acompanhando a audiência nesta tarde, o Procurador que acatou a denúncia disse que serão abertas duas linhas de investigação, uma criminal e outra cível. “Diante do que foi apresentado na audiência o Procurador acatou a denúncia e deve iniciar as investigações”, finalizou.

 

Entrevista Cacique Idalino e Fotos: Jacson Santana.

Fonte: http://www.cimi.org.br/site/pt-br/?system=news&conteudo_id=9116&action=read