.

As mais de 150 pessoas que estão no local são oriundos de aldeias de São Paulo, Rio de Janeiro e Paraná. Entre os problemas denunciados pelas lideranças está a retirada de carros que possibilitavam levar pacientes para consultas ou emergência médicas, falta de combustível em veículos que ainda estão nas comunidades e paralisação de obras de saneamento básico.

Ednubia Ghisi para Brasil de Fato

Indígenas das etnias Guarani, Terena e Tupi Guarani ocupam o prédio do Distrito Sanitário Especial Indígena (DSEI) Litoral Sul, no Centro de Curitiba, desde a última quinta-feira (24). Segundo as lideranças, as mais de 150 pessoas que ocupam o local são oriundos de aldeias de São Paulo, Rio de Janeiro e Paraná, estados de abrangência da atuação do DSEI Sul. A unidade faz parte dos 34 Distritos ligados à Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai), integrante do Ministério da Saúde (MS).

A liderança indígena Tupã Rendy explica que a mobilização é por melhores condições de saúde e saneamento. Entre os problemas listados por ela está a retirada de carros que possibilitavam levar pacientes para consultas ou emergência médicas, falta de combustível em veículos que ainda estão nas comunidades e paralisação de obras de saneamento básico.

“As comunidades estão com águas contaminadas, esgoto a céu aberto, banheiros caindo por falta de reforma, e eles [Sesai] não dão nenhuma assistência”, denuncia Tupã Rendy. Ela é da etnia Tupi Guarani, da Aldeia Piaçaguera, localizada em Peruíbe, Litoral Sul paulista, onde vivem cerca de 40 famílias.

31322485075_5e172650cc_b1

Cacique Nambi tem 68 anos, vive na aldeia Djaykoaty, localizada em Miracatu, Vale do Ribeira/SP, onde moram 12 famílias Tupi Guarani (Foto: Giorgia Prates)

 

A mobilização é articulada por caciques e comunidades indígenas ligados à Comissão Ywyrupa e da Articulação dos Povos Indígenas (Arpin) Sudeste. “A gente não vai sair daqui enquanto não resolverem essa situação, porque as nossas crianças e nossos idosos estão sofrendo com isso”, aponta a indígena. A disposição do grupo é de permanecer em acampamento até que o MS dê respostas definitivas.

Segundo a liderança, por falta de abertura para o diálogo, as comunidades indígenas cobram a substituição da atual coordenação do DSEI Litoral Sul. “A gente quer uma pessoa que realmente tenha comprometimento com as comunidades indígenas, que nos ouça e que vá até as bases ver como a gente está”.

Piora das políticas de saúde indígena

“Desde o tempo que a Sesai assumiu, não fizeram nada nas comunidades. É um descaso”. O desabafo de Tupã Rendy é com relação à transferência da gerência da atenção à saúde indígena da Fundação Nacional de Saúde (Funasa) para a Sesai. A mudança passou a ocorrer a partir de outubro de 2010, com a criação da Secretaria.

“No fim a gente que passa por ruim, porque o ministro diz que o dinheiro foi enviado, mas na prática não chega até as comunidades”, referindo-se a Ricardo Barros, ministro da Saúde.

A assessoria de imprensa do Ministério da Saúde foi procurada, mas não respondeu aos pedidos de informação até o fechamento dessa matéria.

Awagwyrao Ruitxa, cacique da aldeia Tupi Guarani Porungawa Dju, de Peruíbe, Litoral Sul de São Paulo (Foto: Giorgia Prates)

Awagwyrao Ruitxa, cacique da aldeia Tupi Guarani Porungawa Dju, de Peruíbe, Litoral Sul de São Paulo (Foto: Giorgia Prates)

 

Solidariedade entre ocupações

Estudantes que ocupavam os prédios do complexo da Reitoria da Universidade Federal do Paraná (UFPR) prestam apoio à ocupação indígena desde a quinta-feira. Na tarde de sábado (26), no momento em que desocupavam os prédios, representantes das aldeias foram até o pátio da Reitoria para falar sobre a realidade em que vivem e os motivos da mobilização.

Colchão e mantimentos das ocupações recém desfeitas foram enviados naquela mesma tarde para os indígenas acampados. A mobilização em apoio continua com a contribuição de estudantes, professores e outras pessoas apoiadoras.

Edição: José Eduardo Bernardes

FONTE: https://www.brasildefato.com.br/2016/11/29/em-curitiba-indigenas-ocupam-distrito-sanitario-e-cobram-politicas-na-area-da-saude/