Encontro analisará, entre outros assuntos, o tratamento aos indígenas Warao

A Câmara de Populações Indígenas e Comunidades Tradicionais do Ministério Público Federal (6CCR/MPF) promove, nos próximos dias 26 e 27, uma oficina de trabalho em Boa Vista (RR) para discutir a situação atual e os direitos dos venezuelanos que têm se deslocado para o Brasil em razão da crise em seu país natal. O encontro depositará especial atenção aos indígenas Warao, da região do Delta do Orinoco, que vivem uma onda migratória da Venezuela para o Brasil, tendo como principais destinos Boa Vista e Manaus (AM). O debate será realizado no Auditório Alexandre Borges, no campus da Universidade Federal de Roraima (endereço Av. Cap. Ene Garcês, 2413 – Aeroporto, Boa Vista). 

O evento pretende ampliar conhecimentos e trocar experiências de estudo e pesquisa que contribuam para os diálogos interculturais em curso entre agentes públicos e os imigrantes. A oficina de trabalho conta com o apoio do Instituto de Antropologia da UFRR e do Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (Acnur), conhecido como a Agência da ONU para Refugiados. O primeiro dia de debates é aberto ao público. As inscrições serão feitas no dia e local do evento, e a UFRR emitirá certificado aos participantes.

O MPF acompanha desde o ano passado a crise migratória que já levou mais de 70 mil venezuelanos a Roraima e ao Amazonas desde 2015. Um estudo antropológico foi elaborado pelo Ministério Público e apresentado às autoridades brasileiras para esclarecer características culturais dos Warao e a contextualização da crise enfrentada pela Venezuela  que levou à onda migratória ao Brasil. Estima-se que existam em torno de 30 mil venezuelanos vivendo em Roraima e, desses, pouco mais de 16 mil são solicitantes de refúgio.

O estudo sugeriu a promoção de uma oportunidade para intercâmbio de conhecimentos antropológicos com pesquisadores venezuelanos. Sendo assim, a oficina de trabalho deste mês servirá para cumprir esta sugestão dos antropólogos do MPF e estreitar as distâncias entre iniciativas brasileiras e venezuelanas com relação aos emigrantes.

Programação – O primeiro dia da oficina é aberto à comunidade em geral, como professores, pesquisadores e alunos da UFRR, instituições que trabalham com os Warao, indígenas e migrantes venezuelanos. Já o segundo dia é destinado apenas a quem atua diretamente com os Warao, como MPF, Defensoria Pública, Funai, Sesai, prefeituras, dentre outros. Os indígenas Warao poderão participar dos dois dias de evento.

O encontro é resultado das ações do Ministério Público Federal, por intermédio da 6CCR, da Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão (PFDC) e dos procuradores da República em Roraima, no Amazonas e em Belém.

SERVIÇO
Oficina de Trabalho – Deslocamentos indígenas na Venezuela e no Brasil: intercâmbio de conhecimentos
Data: 26 e 27 de setembro de 2017
Local: Auditório Alexandre Borges, no campus da Universidade Federal de Roraima (endereço Av. Cap. Ene Garcês, 2413 – Aeroporto, Boa Vista)

Veja aqui a programação completa do evento

Secretaria de Comunicação Social
Procuradoria-Geral da República
(61) 3105-6406 / 6415
pgr-imprensa@mpf.mp.br
facebook.com/MPFederal
twitter.com/mpf_pgr

Fonte: http://www.mpf.mp.br/pgr/noticias-pgr/mpf-promove-oficina-para-discutir-situacao-de-indigenas-emigrantes-da-venezuela