.

No período de 2 a 6 de dezembro ocorreu em São Gabriel da Cachoeira mais uma das ações do Projeto Saberes Indígenas, a Oficina de Desenvolvimento de vídeo didático.

O Projeto Saberes Indígenas na Escola é uma das ações do Programa Nacional dos Territórios Etnoeducacionais, financiado pelo governo Federal e instituído pelo MEC, que tem como objetivo promover a educação continuada de professores e educadores indígenas.

A oficina é uma resposta às solicitações e necessidades apresentadas pelos alunos no que diz respeito à instrumentalização tecnológica para fins educacionais, além de um quesito a ser considerado na formação continuada dos professores indígenas. O objetivo é apresentar o processo de criação de vídeos da teoria à prática sempre respeitando as especificidades características de um grupo intercultural multilíngue.

A oficina foi ministrada pela Professora Depto. Artes Lilia Valessa(UFAM), pelo Designer Rodrigo Reis, Thaline Fontes (UFAM), Clysmman Ribeiro (UFAM), O grupo de estudantes é composto de 57 pessoas, falantes das línguas Tukano, Baniwa e Nheengatu, sendo que 90% destes são egressos do curso de Licenciatura Indígena Políticas Educacionais e Desenvolvimento Sustentável que já atuam como professores na rede pública de ensino em suas comunidades (em Terra Indígena).

As atividades foram realizadas no Campus do IFAM em São Gabriel da Cachoeira que cedeu seus laboratórios de Informática para que as atividades fossem desenvolvidas. Os alunos receberam noções básicas de produção do vídeo, que incluíram a ideia (o que eu quero fazer, ordem dos passos) dentro de uma ótica que valorizasse os saberes tradicionais, com suas crenças e ritos tendo como pano de fundo as ações do seu dia a dia, sistematização do projeto (Storyboard), elaboração de roteiro, noções básicas de fotografia digital, softwares de edição de vídeo, entre outras.

Como resultado final dos trabalhos realizados, foram produzidos filmes de curta duração dos mais diferentes temas, que vão desde a preocupação com a poluição dos rios, brincadeiras das crianças de suas comunidades, comidas típicas, confecção de artesanatos, entre outros.

No encerramento das atividades os professores ressaltaram a importância que teve o contato com as novas tecnologias digitais para o enriquecimento de suas atividades pedagógicas nas comunidades. Segundo o professor indígena do polo Baniwa, Juvêncio Cardoso: “Aprender a editar vídeo é fundamental para nosso trabalho, por que muitas vezes as crianças tem contato com celulares e tablets que chegam à comunidade e podemos tornar essas ferramentas um mecanismo de aprendizagem com essas técnicas que aprendemos. Vamos compartilhar esses conhecimentos com outros professores, para que eles possam produzir seus próprios materiais de sala de aula, assim fortalecendo o processo de ensino-aprendizagem”.

CRONOGRAMA DOS DIAS DA OFICINA

2 de dezembro – Abertura da Oficina com o encontro e integração dos participantes com a equipe de profissionais multimídia e as instalações do IFAM. Teoria do processo de produção de vídeo
3 de dezembro – Teoria do programa de edição movie maker.
4 de dezembro – Escolhas dos temas e praticas na elaboração do storyboard.
5 de dezembro – Pratica da produção do vídeo.
6 de dezembro – Finalização e mostra dos vídeos produzidos pelos grupos.