.

Considerar doença e saúde como parte de um sistema “cosmológico” no qual diversos fatores interagem no processo de cura. Diferente da medicina ocidental, esse é um dos princípios da medicina tradicional Kaingang, que tem nos Kujà ou xamãs figuras reconhecidas enquanto detentoras de saber. Para celebrar a prática, a comunidade Kaingang promove o 6º Encontro dos Kujà – Fortalecimento da Medicina Tradicional Kaingang, que reúne cerca de 400 participantes até sábado, 26, no Morro do Osso, região Sul de Porto Alegre. (fotos)

Nesta sexta-feira, 25, o encontro foi acompanhado pela equipe multidisciplinar de saúde indígena da Secretaria Municipal de Saúde (SMS), responsável pelo atendimento básico aos povos indígenas na Capital. “Enquanto gestão, buscamos cumprir as diretrizes da Política Nacional de Atenção à Saúde Indígena, sendo uma delas a valorização das práticas tradicionais de cura, por isso incentivamos a construção do evento”, afirma a gerente de Equidade Etnorracial em Saúde, Elaine Oliveira Soares. Segundo a assessora técnica responsável pela política de atenção à saúde indígena, Rosa Rosado, é importante a presença da equipe que atua nas aldeias, no sentido de oportunizar trocas como estímulo à educação permanente, atendendo às especificidades culturais, para que o diálogo intercultural flua de modo satisfatório.

Porto Alegre é o único município do Estado que possui uma equipe de saúde voltada especialmente a esse público. Para a coordenadora da Atenção Básica da SMS, Vânia Frantz, presente ao encontro, tal fato é um diferencial. “Existe uma gama de preocupações quando se investe em equipes voltadas a usuários que possuem culturas e etnias diferentes. As próprias aldeias são distintas umas das outras, é preciso olhar para as particularidades”, acredita.

A equipe multidisciplinar atende cinco aldeias e conta atualmente com médica, enfermeira, uma técnica de enfermagem, dentista, auxiliar de saúde bucal e um agente indígena de saúde do Instituto Municipal de Estratégia de Saúde da Família (Imesf). Além disso, há mais uma técnica de enfermagem, dois agentes indígenas de saúde e dois agentes indígenas de saneamento vinculados à Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai), do Ministério da Saúde. O atendimento inclui grupos de homens/mulheres, hipertensos e diabéticos.

Medicina Kaingang – Os encontros são promovidos a cada dois anos, reunindo homens e mulheres de aldeias da Capital e cidades do interior do Estado reconhecidos enquanto detentores de saberes e práticas que os legitimam como protagonistas da medicina tradicional Kaingang. Nos encontros, os kujà/xamã fazem rituais, conversam e orientam lideranças indígenas, batizando crianças e percorrendo campos do Morro do Osso à procura de espécies de véin katá (remédios do mato). “Junto aos kujà, foram mobilizadas outras classes de especialistas e lideranças, como rezadores, caciques, líderes político-cerimoniais, parteiras, cozinheiras, dançadores e guerreiros indígenas, compondo a teia do xamanismo”, explica Rosa. A ideia da comunidade é consolidar o espaço ritual do Morro do Osso, revigorando suas práticas de cura e a alimentação tradicional, assim como os rituais de dança e de música, mas também propondo o diálogo na promoção e gestão de políticas públicas específicas aos povos indígenas.

O 6º Encontro dos Kujà – Fortalecimento da Medicina Tradicional Kaingang tem apoio da prefeitura, por intermédio das secretarias municipais de Saúde (SMS) e de Direitos Humanos (SMDH), Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai), Fundação Nacional do Índio (Funai) e Emater/RS.

FONTE: http://www2.portoalegre.rs.gov.br/portal_pmpa_novo/default.php?p_noticia=190440&SAUDE+INCENTIVA+ENCONTRO+DE+MEDICINA+TRADICIONAL+KAINGANG